Nota da AJURIS em defesa da vida e da democracia

Nota da AJURIS em defesa da vida e da democracia

Para o ministro Luís Barroso, do Supremo Tribunal Federal, é “assustador” assistirmos a atos públicos contra a democracia e em defesa da intervenção militar. A tais atos acorreu o presidente da República. Que já afirmara ter havido fraude nas eleições, que disse ter vencido em primeiro turno, e que confronta o Parlamento, o Supremo e os governadores brasileiros.

Se o excesso de vilipêndio aos parâmetros democráticos cobra uma irrealizada atuação de nossa entidade da magistratura nacional, nós, da AJURIS, não silenciaremos. As medidas de distanciamento social produzem angústia, rompem com a normalidade de nossas vidas, e causam, à toda evidência, repercussões econômicas. Para isso que servem os governos: atender aos desassistidos pela crise, orientar e liderar pelo exemplo àqueles que se submeterão a sacrifícios.

Ao estimular o descumprimento das regras emitidas pela Organização Mundial da Saúde, nossa autoridade maior lança às incertezas do desconhecido a vida de milhares de pessoas. São mais de 100 mil mortos no continente europeu, mais de 40 mil nos Estados Unidos, tudo a sinalizar que, sem o cumprimento estrito dos ditames médicos e científicos, caminharemos, no Brasil, para o descontrole total.

A AJURIS, portanto, conclama a magistratura brasileira à união e à defesa da vida e das instituições democráticas de nosso país, ainda mais quando as confronte o líder maior da nação.

Orlando Faccini Neto
Presidente da AJURIS