Justiça Restaurativa: Escola da Magistratura e governo do Canadá celebram dez anos de parceria

Justiça Restaurativa: Escola da Magistratura e governo do Canadá celebram dez anos de parceria

Um coquetel na noite da última quinta-feira (5/3) reuniu convidados para celebrar os dez anos de parceria entre a Escola da Magistratura da AJURIS e o governo do Canadá no programa de uso e aperfeiçoamento das práticas da Justiça Restaurativa no Rio Grande do Sul. 

A Justiça Restaurativa começou a ser implantada no Canadá em meados dos anos 70. Hoje, suas práticas são usadas em todas as províncias do país não apenas no sistema de Justiça, mas também nas escolas, nas universidades e nos centros comunitários, investindo no diálogo e na reflexão em grupo como ferramenta para evitar e combater a violência. Na última década, especialistas e juristas canadenses estiveram na Escola da Magistratura por meio de parceria com o governo do Canadá, participando de eventos e trocando experiências com brasileiros para incentivar o uso da Justiça Restaurativa no Brasil. Hoje, a JR faz parte de política de Estado do Rio Grande do Sul, por acordo firmado entre Executivo, Legislativo e Judiciário, tendo a AJURIS como testemunha do pacto.

Esse histórico foi apresentado aos convidados pela embaixadora do Canadá no Brasil, Jennifer May, que destacou o papel da Escola da Magistratura na disseminação da Justiça Restaurativa no país. Em seus pronunciamentos, o presidente da AJURIS, Orlando Faccini Neto, o diretor da Escola, Jayme Weingartner Neto, e o coordenador do curso na Escola, Leoberto Brancher, também destacaram a importância da parceria entre a Escola e o governo do Canadá para o crescimento do uso da JR no Brasil.

Também participaram do evento o vice-presidente Administrativo da AJURIS, Cláudio Martinewski, a vice-diretora da Escola da Magistratura, Patrícia Laydner, a cônsul-geral do Canadá em São Paulo, Heather Cameron (responsável pelas ações na Região Sul), o desembargador Ney Wiedemann Neto, terceiro-vice-presidente do Tribunal de Justiça do RS, e a corregedora-geral de Justiça, Vanderlei Teresinha Kubiak.