Workshop trata dos três desafios das redes sociais

Workshop trata dos três desafios das redes sociais

O workshop A dinâmica das redes sociais e a magistratura, conduzido pelo diretor do Instituto de Tecnologia Social (ITS) do Rio de Janeiro, Fabro Steibel, apontou os três desafios para os magistrados nas redes sociais. A atividade contou com momentos de interatividade e participação da plateia, e os magistrados também foram convocados a votar em algumas questões objetivas via telefone celular, e os resultados da votação apareciam no telão.

O primeiro desafio apresentado pelo palestrante foi a preocupação com o “magistrado influenciador”. Fabro lembrou que na dinâmica social algumas pessoas são referências para outras e, ao postar em suas redes, sempre está apresentando informações. O palestrante lembrou que esse assunto também é difícil para a publicidade, pois muitas vezes as regras de apresentação e oferecimento de um produto ou serviço por um influenciador também não são claras. 

Para enfrentar esse desafio, Fabro fez um alerta: “Em situação de exposição e de influenciadores, o juiz precisa analisar se controla o conteúdo e perceber se controla o contexto a partir de suas postagens. Quem vê uma foto, por exemplo, enxerga  um contexto. O juiz controla esse contexto?”, indagou.

O segundo desafio apresentado foi o que envolve a disseminação de fake news (as notícias falsas). Ao consultar a plateia, 89% dos participantes indicaram que os magistrados devem se abster de compartilhar fake news. Nesse momento, Fabro alertou: infelizmente, em algum momento, todo mundo vai partilhar informações falsas nas redes sociais.

Na sequência, apresentou oito dicas para evitar a disseminação de fake news: 

  1.  Se não tiver fonte, não repasse
  2.  Busque a fonte original da notícia
  3.  Cheque o histórico de quem publicou
  4.  Confirme a data da publicação
  5.  Pesquise a mesma informação em outras fontes
  6.  Leia a notícia inteira
  7.  Se houver muitos elogios no texto, desconfie
  8.  Se está em dúvida, não repasse

 

O terceiro desafio foi o que envolve a privacidade de quem usa as redes sociais. Fabro disse que existem estudos que mostram que as pessoas, de um modo em geral, usam seus e-mails em média para fazer 130 cadastros. Ou seja, são 130 portas de entrada para empresas ou outros internautas que podem captar suas informações. “Até mesmo postar uma inocente foto de um jantar num restaurante com a família deixa pistas de locais que tu frequenta, horário, rotina, pessoas com quem convive, e outras informações”, afirmou.

Assim como no desafio anterior, Fabro deixou dicas de segurança para preservar a privacidade nas redes: ativar a contra privada, criar lista de “melhores amigos” para partilhar informações, tirar de suas redes os perfis falsos e cuidar para não deixar que sua senha seja vazada. “Uma dica na senha, por exemplo, é usar uma frase ou uma citação, que é mais complexa do que apenas uma sequência de letras e números e é fácil de ser memorizada”, sugeriu.