Congresso da AJURIS debate a Magistratura Digital

Congresso da AJURIS debate a Magistratura Digital

A AJURIS deu início no final da tarde desta quarta-feira (14/8) ao XIII Congresso Estadual da Magistratura, no Sheraton Hotel, em Porto Alegre. Com o tema A Magistratura Digital, o evento vai discutir, até sexta-feira, os desafios de fazer a jurisdição em um mundo em constante transformação. Cerca de 240 magistrados e convidados participam do evento.

Em seu discurso de abertura, a presidente da Associação, Vera Lúcia Deboni, dividiu a atuação da entidade em três momentos. Na primeira etapa, lembrou das origens da Associação, dos propósitos que fizeram os juízes gaúchos a se reunirem em torno de  uma associação de classe e das causas que foram defendidas ao longo do tempo, muitas delas não apenas de interesse da magistratura, mas da sociedade em geral. “Protagonismo, sim, mas sem descuidar da primeira finalidade para a qual a AJURIS foi criada: a de fortalecer e estreitar a união dos juízes e defender os seus interesses relevantes”, disse. 

Na segunda parde, a presidente lembrou da atuação da AJURIS nos temas que estão em pauta no presente, como a tramitação no congresso da lei do abuso de autoridade, a reforma da Previdência e a constante tentativa de setores da sociedade de desvalorizar o trabalho dos magistrados. “No aqui e agora, talvez mais do que em qualquer tempo, a AJURIS, hoje com mais de 1,2 mil associados, precisa defender as prerrogativas de uma magistratura ameaçada e pressionada por todos os ângulos”, afirmou.

Na parte final, Vera Deboni lembrou dos desafios do futuro, que estão alinhados ao tema do Congresso, a magistratura digital. “A sociedade está mudando. As disrupturas tecnológicas são rapidamente acompanhadas de disrupturas de comportamento: todos estão interligados e, ao mesmo tempo, cada um constrói seus castelos e ilhas e cria suas bolhas de relacionamento. É dentro desse universo emergente, emaranhado de conexões, que precisamos fazer o trabalho jurisdicional, sendo agentes da Justiça em um ambiente que, muito rapidamente, torna defasado o ordenamento jurídico para regular as novas condutas e harmonizar as relações que cada vez mais exigem a inclusão”, afirmou.

Para acessar a íntegra do discurso, clique aqui

O presidente do Tribunal de Justiça (TJRS), desembargador Carlos Eduardo Zietlow Duro, e da Assembléia Legislativa (ALRS), deputado Luis Augusto Lara, também se manifestaram na solenidade de abertura. Ambos destacaram a atuação da AJURIS ao longo da história. Também participaram da abertura o procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen, e do Estado, Eduardo Cunha da Costa, o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, além de demais autoridades e representantes dos três poderes.