Justiça Restaurativa: Escolas gaúchas contam com mais de mil facilitadores

Justiça Restaurativa: Escolas gaúchas contam com mais de mil facilitadores

O projeto Escola+Paz desenvolvido pela AJURIS e governo do Rio Grande do Sul já capacitou mais de mil facilitadores para atuar com a Justiça Restaurativa nas escolas gaúcha. A ação foi destaque do Jornal do Comércio desta terça-feira (25/6). A AJURIS é pioneira nos estudos e práticas da Justiça Restaurativa no país.

Confira a reportagem:

JORNAL DO COMÉRCIO | JORNAL DA LEI | 25/06/2019

Escolas gaúchas contam com mais de mil facilitadores

Quatro bairros da Capital e duas cidades da Região Metropolitana fazem parte do projeto Escola + Paz, iniciativa da Ajuris e do Estado

Expandido em 2018, o modelo de justiça não punitivo, até então utilizado apenas para audiências no Judiciário, ganhou espaço também nas escolas estaduais. Com o objetivo de promover a construção de círculos de resolução e prevenção de conflitos através da paz e da escuta, o programa Justiça Restaurativa adotou uma metodologia de círculos de paz aplicada em diversos países.

Mais do que uma ferramenta de prevenção e tratamento de conflitos, a Justiça Restaurativa possui uma estratégia de pedagogia ativa e dinâmica na construção social. Em 2018, quando surgiu a ideia de expandir para escolas, o governo do Estado contou com o apoio da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), que, desde então, tem contribuído para a capacitação de professores, funcionários e diretores na metodologia circular.

O propósito da capacitação é ensinar os profissionais a trabalharem na prevenção de conflitos mesmo quando o dano já tiver ocorrido. Nesses casos, o trabalho passa a ser de reparação pelas partes, trabalhando para a reconstrução das relações rompidas, a fim de gerar benefícios a todos. A iniciativa, inovadora e uma das pioneiras no Brasil, foi criada pela professora e pesquisadora norte-americana Kay Pranis, uma das maiores referências mundiais nesse tema.

Nos Estados Unidos, Kay desenvolve treinamentos de processos circulares em escolas, presídios, empresas, igrejas e comunidades, comprovando o funcionamento da metodologia. O programa Escola + Paz foi criado para complementar o atendimento aos jovens nos territórios do POD, em Porto Alegre, Viamão e Alvorada. Junto com as Comissões Internas de Prevenção de Acidentes e Violência Escolar e em parceria com a Ajuris, o projeto trabalha círculos de paz e a Justiça Restaurativa dentro das escolas, que são o ponto central para as transformações culturais das comunidades.

 

Iniciativa ajuda a tornar o ambiente escolar mais saudável

Para o coronel Egon Marques Kvietinski, diretor do Departamento de Justiça da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e dos Direitos Humanos, a parceria entre o Estado e a Ajuris é fundamental para a prática de Justiça Restaurativa nas escolas: “Essa integração é extremamente importante. A Ajuris é a mantenedora de tudo isso e de toda essa propagação de conhecimento.”

O projeto Escola + Paz, oriundo do POD, surgiu com o objetivo de levar um diálogo produtivo para o ambiente em que os jovens estão inseridos, buscando evitar a evasão escolar e tentando combater a violência no entorno das escolas. “A cada ano, a gente tem notado uma redução no número de alunos devido a essa evasão escolar. Com esse projeto, a ideia é fazer desse ambiente um lugar mais saudável para todos.”

O diálogo, somado às ofertas de oportunidades dos centros de referências do POD, segundo Kvietinski, têm contribuído para a expansão do projeto. “Hoje, a proposta que se tem é expandir esse trabalho junto ao programa RS Seguro. Nós já temos o Escola + Paz em Porto Alegre, Alvorada e Viamão. A ideia, agora, é expandir para outras 15 cidades”, completou.

 

Juiz avalia importância da Justiça Restaurativa nas escolas

Aplicada há mais de dez anos no Brasil, a Justiça Restaurativa permite o encontro físico entre vítima, agressor, suas famílias, a comunidade e demais envolvidos no caso, utilizando-se de técnicas autocompositivas de solução de conflitos, podendo ser utilizada em qualquer etapa do processo ou ainda antes que o conflito seja ajuizado, de forma preventiva.

O método prima pela criatividade e sensibilidade na escuta das vítimas e dos ofensores. Responsável por trazer esse modelo de resolução de conflitos ao País e por implementar os primeiros estudos e práticas sobre Justiça Restaurativa na Escola da Ajuris, o juiz Leoberto Narciso Brancher avalia a importância do método também para as escolas gaúchas.

“A iniciativa de expandir para as escolas surgiu através de uma parceria entre Ajuris e Secretaria de Justiça, quando avaliamos os impactos positivos que a prática poderia trazer também para a sala de aula”, disse. “O projeto Escola + Paz busca fazer uma abordagem filosófica a respeito da construção de relacionamentos, mas não é uma coisa apenas teórica, é muito prática também.” Para o juiz, a ideia é trabalhar melhor a convivência e a resolução de conflitos em territórios mais vulneráveis. De 2018 a 2019, a Ajuris já formou 1.107 facilitadores. São 200 trabalhando ativamente no bairro Cruzeiro, 195 na Lomba do Pinheiro, 168 no Rubem Berta e 133 na Restinga.

Nos municípios da Região Metropolitana, são 211 em Alvorada e 200 em Viamão. Ao todo, 103 escolas recebem os serviços de Justiça Restaurativa. “O nosso objetivo, enquanto capacitadores, é melhorar a convivência escolar, promovendo a resolução de conflitos por meio de práticas eficazes para ambas as partes. A nossa meta é capacitar 1.200 professores, funcionários e diretores”, ressalta Brancher.

Departamento de Comunicação – AJURIS
51 3284.9107
imprensa@ajuris.org.br